Transição Socialista
   

Dia 3/4: às ruas contra o habeas corpus de Lula!

As organizações pequeno-burguesas Vem Pra Rua e Movimento Brasil Livre convocaram atos por todo o país no dia 03/04 contra o habeas corpus de Lula no STF. A esquerda que se diz oposição ao PT precisa construir esses protestos — delimitando-se em relação aos pequeno-burgueses —, pois do contrário será engolida junto com o lixo histórico do PT.

As chances de Lula conseguir o HC definitivo são grandes, dada a liminar deferida na sessão do STF de 22/03 (liminar que, em essência, já é um habeas corpus). Alguns jornalistas, como Andreza Matais (Estadão) já afirmam que é certo que Lula conseguirá o HC.

Quem tem medo de fazer aliança na rua com a pequena-burguesia? Quem tem medo dos inofensivos MBL e VPR? Somente aqueles metidos em contradições, que não conseguem — como os petistas — responder uma única crítica desses grupos!

Os petistas e semi-petistas nos criticam por propor uma aliança com a pequena-burguesia, mas mantêm uma aliança com a grande burguesia 24 horas por dia. Por exemplo, os petistas e afins vivem de combater os juízes de primeira instância — os “juizecos”, falou Renan Calheiros — porque estes reivindicam auxílio-moradia de 4 mil reais. De fato, num país de miseráveis (em grande medida graças aos governos do PT), 4 mil reais aparece como bastante. Mas lembremos: quanto dinheiro gente como Eike Batista e Marcelo Odebrecht ganhava por hora? Eike Batista, que chegou a ser a menina dos olhos, a imagem-símbolo do “neodesenvolvimentismo” petista, ganhava R$ 2.500,00 por minuto. Marcelo Odebrecht e todos os amiguinhos burgueses de Lula não ficam para trás (se não é por minuto, é por hora).

Mas a “esquerda” prefere combater os juizecos — junto com o lulista Renan — para melhor defender os grandes burgueses amigos de Lula e os grandes juízes da ordem burguesa. A “esquerda” prefere condenar os pequenos-juízes — vários oriundos de camadas superiores do proletariado, passíveis de pressão — e implora para as altas instâncias da justiça salvarem Lula. Acontece que quão mais alta a instância da justiça, mais claramente de classe (burguesa) ela é. Agora até Gilmar Mendes virou um companheiro dos petistas contra o “fascismo” da Lava-Jato!

Enquanto a “esquerda” não entender que a Lava-Jato, nascida em 2014, é fruto (distorcido) da pressão proletária de junho 2013 sobre o baixo escalão do Ministério Público e da magistratura, ela não entenderá nada. É preciso compreender que esse baixo-escalão, de caráter pequeno-burguês, está, juntamente com a revolta popular (que vira e mexe surge em cena), criando fissuras na dominação burguesa. E é preciso entender que essas fissuras são algo bom para a luta da classe trabalhadora na sua relação de forças com a classe capitalista.

Fazer aliança com a pequena-burguesia não significa em nenhum momento submeter-se a ela. Não significa diluir-se nela, não significa estar no mesmo local de ato que ela, não significa adotar o mesmo programa que ela. Fazer aliança significa bater junto e marchar separado. Bater junto contra a necessária tendência de recrudescimento do regime político atual, mas sem se misturar. Nós vamos de vermelho e falaremos abertamente que somos de esquerda, somos a esquerda que sabe pensar e que quer a prisão do burguês corrupto Lula. A esquerda deveria saber fazer um bloco próprio, independente, no ato, o que teria grande visibilidade (inclusive nos meios de comunicação da burguesia).

A liberdade de Lula significará necessariamente a candidatura de Lula. Ninguém o impedirá. A liberdade de Lula é um passo sério na diluição do regime democrático-burguês rumo a um regime populista-autoritário. É o apequenamento do Supremo exatamente na relação com (diante de) Lula. Esse é o verdadeiro acordo proposto por Romero Jucá para estancar a sangria (“salvar Lula para salvar todo mundo”) e é, ao mesmo tempo, um caminho para um verdadeiro golpe (mudança de regime político, de democrático-burguês para populista-autoritário). A burguesia não tem outra saída para retomar a estabilidade de sua dominação senão um regime mais autoritário.

Nós não ficaremos calados ou passivos diante disso. Não nos abstemos da luta de classes. Não basta dar de ombros, não se importar com o destino de Lula (“foda-se ele!”). É preciso militar pela sua prisão tanto quanto milita-se pela prisão de Eduardo Cunha ou Aécio Neves. Ou melhor: em dobro, porque Lula é mais perigoso do que esses bandidos burgueses.

Dia 03/04: às ruas contra o acordão com o Supremo! Abaixo o HC salvador de Lula! Prisão imediata do cabeça da quadrilha política nacional!