Transição Socialista
   

Intelectuais em apoio à candidatura de Rafael Padial

RAFAEL PADIAL CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL PELA TRANSIÇÃO SOCIALISTA-NN, COM LEGENDA CEDIDA DEMOCRATICAMENTE PELO PSTU

O PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado) democraticamente cede sua legenda a lutadores e a organizações e movimentos da classe trabalhadora que não têm respaldo legal eleitoral. A Transição Socialista-Negação da Negação requereu esse espaço democrático, o que foi atendido pelo PSTU, ao qual a TS agradeceu fraternalmente.

A cessão democrática da legenda por parte do PSTU não implica em restrição política ou programática sobre a TS. Para a candidatura, Rafael Padial filiou-se ao PSTU, o que não implica em total concordância com esse partido. A TS tem conhecidas divergências com esse partido, sobretudo a respeito da leitura e interpretação do PROGRAMA DE TRANSIÇÃO. As diferenças estão embasadas na leitura dialética desse programa, que, para TS, é a expressão programática mais sintética da teoria de O capital de Karl Marx.

A filiação de Rafael Padial ao PSTU não tem como objetivo, antes de tudo, se eleger deputado, mas denunciar a farsa democrático-burguesa, que são todas as eleições sob o regime capitalista. Trata-se, assim, de uma candidatura de DENÚNCIA DA FARSA ELEITORAL BURGUESA.

Ressaltamos que, apesar de diferenças programáticas com o PSTU, a TS respeita esse partido, compartilha de algumas de suas análises conjunturais; muitas vezes luta em conjunto com ele, um partido que melhorou nos últimos anos e é o único legalizado dos trabalhadores que não trai os princípios fundamentais da luta sob a contradição fundamental, aquela entre o capital e o trabalho.

Apesar de ser uma candidatura fundamentalmente de protesto, Rafael Padial defenderá algumas palavras de ordem que consideramos fundamentais, COMO PROGRAMA para a luta atual dos trabalhadores:

PROGRAMA DA CANDIDATURA DE
RAFAEL PADIAL

1. CONTRA A DESVALORIZAÇÃO DO PODER DE COMPRA DOS SALÁRIOS:

ESCALA MÓVEL DE SALÁRIOS: reajuste mensal imediato dos salários de acordo com o aumento dos preços dos alimentos de primeira necessidade dos trabalhadores – arroz, feijão, açúcar, carne, ovos, farinha, pão, gás, energia elétrica, aluguéis e transporte coletivo.

2. CONTRA O AUMENTO DO DESEMPREGO:

ESCALA MÓVEL DAS HORAS DE TRABALHO:
Em cada fábrica, em cada empresa, em cada emprego, os trabalhadores existentes devem recusar toda e qualquer a demissão e exigir a contagem e transparência do total das horas trabalhadas. Diante da ameaça de qualquer demissão, os trabalhadores devem exigir a divisão do total das horas trabalhadas pelos trabalhadores existentes, e a divisão das horas trabalhadas pelos trabalhadores empregados até aquele momento. A diminuição das horas de trabalho não deve implicar em diminuição salarial.

PARARELAMENTE, EXIGIR DO ESTADO A ABERTURA DE GRANDES FRENTES PÚBLICAS DE TRABALHO:
Contratar trabalhadores desempregados na construção de escolas públicas, de postos de saúde, de hospitais, e de todas as obras estruturais que beneficiam diretamente os trabalhadores. Não subsidiar as empresas capitalistas que exploram os trabalhadores.

Essas são as exigências mínimas que a TS agita em sua campanha para ao menos conservar o nível de vida da classe trabalhadora nos níveis atuais, que já são de extrema pobreza, mas que não podem continuar a se deteriorar, sob pena de destruir grande parte da classe trabalhadora brasileira, latino-americana e mundial e caminhar rumo à barbárie.

Essas medidas mínimas, no entanto, só pode ser realizadas pelo movimento autônomo dos trabalhadores nos locais de trabalho, e não por um salvador da pátria no parlamento.

ABAIXO A FARSA ELEITORAL BURGUESA!
DEFENDER A CLASSE TRABALHADORA CONTRA O CAPITAL!

APESAR DA FARSA ELEITORAL, NÃO ANULE O SEU VOTO!
VOCÊ SOCIALISTA, COMUNISTA, ANARQUISTA, REVOLTADO, LIBERTÁRIO, NÃO ANULE SEU VOTO NO PRIMEIRO TURNO, ISTO AJUDA A DIREITA!

COM SEU VOTO, DIGA: PRESENTE E FUTURO SOCIALISTA!

VOTE E AGITE UM PROGRAMA EM DEFESA DA CLASSE TRABALHADORA E SUA ORGANIZAÇÃO LIVRE E INDEPENDENTE!

LISTA DE APOIADORES INTELECTUAIS

Nós, intelectuais de diversas universidades e diversos estados, que abaixo assinamos, apoiamos amplamente a candidatura e proposta programática de RAFAEL PADIAL pela TRANSIÇÃO SOCIALISTA, democrática e fraternalmente cedida pelo PSTU:

1. Hector Benoit (Prof. Livre-Docente do Departamento de Filosofia da UNICAMP);
2. Luiz Renato Martins (Prof. Dr. do Departamento de História da FFLCH-USP);
3. Ari Marcelo Solon (Prof. Livre-Docente do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da FD-USP);
4. Fernando Dillenburg (Prof. Dr. do Departamento de Economia da UFRGS);
5. Ricardo Pereira de Melo (Prof. Dr. do Departamento de Filosofia da UFMS);
6. Lígia Beatriz Carvalho de Almeida (Profa. Dra. da UAAMI da UFCG);
7. André Koutchin de Almeida (Prof. Dr. do Departamento de Filosofia da UFMS);
8. Gérson Pereira Filho (Prof. Dr. do Departamento de Filosofia da PUCMINAS);
9. Carlos Alves do Nascimento (Prof. Dr. do Departamento de Economia da UFU);
10. Carlos Batista do Prado (Prof. Ms. do Departamento de História da UFMS);
11. Fabiano Joaquim da Costa (Prof. Ms. de Filosofia da Seduc-MT);
12. Christiano Tortato (Prof. Ms. em Filosofia, SEED/Cascavel-PR).