Transição Socialista

Marx


20.01.2021 - Editoriais Produções teóricas

Lukács e a práxis revolucionária

Publicamos texto do prof. Fernando Dillenburg a respeito da trajetória do filósofo húngaro Georg Lucáks, que possui uma forte influência na esquerda brasileira. Em um exame crítico da trajetória política e teórica de Lucáks – que, em se tratando de um marxista, precisam ser pensadas de maneira indissociável –, Dillenburg mostra como seu caráter errático, que teve fases de idealismo romântico e até de esquerdismo, para afinal assentir com muitas concepções stalinistas, culminou em uma “solução” contrária à todo o espírito do marxismo: o abandono da atividade política.


28.11.2020 - Centro de Formação Negação da Negação Editoriais Produções teóricas

Viva Engels!

Neste sábado, 28 de novembro, completam-se 200 anos do nascimento do revolucionário alemão Friedrich Engels, amigo e colaborador de Karl Marx por toda a vida. Ambos são considerados os fundadores do socialismo revolucionário. Aqui destacamos brevemente a importância de Engels nesse processo.


11.10.2020 - Editoriais Produções teóricas

Crítica ao programa eleitoral do PSTU – parte 1

O PSTU lançou há poucos dias dois materiais para orientar suas campanhas eleitorais municipais. Comentaremos detalhadamente as posições aí apresentadas e buscaremos demonstrar como são contrárias às formulações clássicas do marxismo. Como a crítica necessita ser detalhada, a dividiremos em três partes. A primeira trata de concepções mais gerais, sobre estratégia comunista.


16.09.2020 - Grupos de Estudo Podcasts

Grupo de estudo: Marx e o Estado

O segundo ciclo dos nossos grupos de estudo, chamado “Marx e o Estado”, discutirá as concepções de Marx sobre o Estado, mostrando, com base na leitura rigorosa dos textos do autor, como elas destoam, em grande medida, da maior parte das concepções predominantes da esquerda sobre o papel do Estado.


16.09.2020 - Produções teóricas

Marx e o Estado

A maior parte dos seguidores políticos de Marx tem uma concepção equivocada sobre o Estado. Ou defendem reivindicações estatistas, que Marx abertamente crítica (por serem defensáveis pelo capital), ou querem gerir o Estado burguês (adaptados ao “cretinismo parlamentar”), ou caem no mito da “coisa pública” como invariavelmente progressista (ignorando que ela pode ser exploradora-capitalista). Esclareceremos, com base nos próprios textos de Marx, por que tais posições estão equivocadas.


15.07.2020 - Conjuntura Editoriais

“Esquerda” exige o que burgueses peronistas já fazem na Argentina

A confusão continua reinando em setores da “esquerda” que, em meio à crise, defendem que o governo faça um “decreto” garantindo a estabilidade nos empregos. É cópia do que os burgueses argentinos já fazem – e a medida se revela, no final das contas, contrária à classe trabalhadora.


30.06.2020 - Conjuntura Editoriais

O marco sanitário, a privatização e a “esquerda”

A aprovação do novo marco sanitário pelo Senado gerou polêmica na “esquerda” brasileira. A maioria repudiou, com discurso estatista-keynesiano. Mas o que Marx achava da dicotomia “público” versus “privado”? Não seria essa dicotomia mais uma expressão da miséria programática da “esquerda”?


09.06.2020 - Grupos de Estudo Podcasts

Grupo de estudo: Marx, teoria e história

O ciclo de formação “Marx, Teoria e História”, é uma apresentação às obras de Marx, que abordará tanto o desenvolvimento do seu pensamento, noções sobre sua teoria da história e sobre a determinação do programa revolucionário.


29.05.2020 - Conjuntura Editoriais

O programa de Marx e Trotsky contra a crise

Frente à gigantesca crise capitalista que se abre, é fundamental os revolucionários adequarem seus programas. Seria o Programa de Transição uma invenção particular de Trotsky, ou teria bases nos esforços do próprio Marx para encontrar um programa revolucionário?


14.11.2019 - Produções teóricas

História da classe trabalhadora: a dualidade de poder

Sob o influxo das lutas que estão acontecendo, a TS produziu série de postagens sobre a dualidade de poder: o processo de constituição de um poder paralelo pelos trabalhadores, contraposto ao poder oficial do Estado burguês, com as formas de luta e as formas organizativas forjadas pelos próprios trabalhadores na luta pela sua emancipação.